Blank notepad over laptop and coffee cup on office wooden table

Sempre escrevi, muito antes da internet e todas as suas facilidades. Fui menina de diário, organizava pensamentos no papel, publiquei um conto no jornal aos 9 anos, pensei em ser jornalista. Acabei me formando em Letras, depois virei médica, pediatra, neurologista infantil, professora de medicina. Virei esposa, virei mãe de uma, mãe de duas meninas encantadoras. Nisso tudo, segui escrevendo – teses, artigos, aulas – mas nada verdadeiramente meu.

Até que topei com um blog muito legal e (eureka!) descobri o que queria escrever. Simples: estórias verídicas ou pelo menos inspiradas na realidade de ser mãe, que é meu papel principal. Sem dicas, sem ódios, sem prescrições, sem moralismo. A coisa do jeito que ela é para mim.

Espero que um dia minhas filhas leiam e gostem do que escrevi. Que nas estórias entendam um pouco da sua história, da nossa história, de quem elas foram e talvez ainda sejam.

Até lá, espero que outras pessoas gostem dos textos, acompanhem o blog e me deem ânimo para seguir escrevendo.